Hipodermóclise na história da enfermagem

atribuições para enfermeiras no Brasil (1916-1943)

Autores

  • Maria Célia Laranjeira Rigonatto Bonizio

DOI:

https://doi.org/10.51234/here.21.v12n2.a4

Palavras-chave:

Cuidados de enfermagem, Enfermeiros e enfermeiras, História da enfermagem, Hipodermóclise, Relações médico-enfermeiro

Resumo

Objetivo: Analisar a construção histórica entre a hipodermóclise e a enfermagem brasileira sob a ótica da dialética marxista. Métodos: Revisão integrativa com discussão sócio-histórica. A coleta de dados foi baseada em livros publicados no Brasil até o ano de 1949. Extraíram-se informações sobre o tema. As atribuições da enfermagem foram discutidas à luz do materialismo histórico-dialético. Resultados: Os autores disponibilizaram o posicionamento dos enfermeiros sobre conceito, indicação terapêutica, material de consumo, local de administração, precaução, evento adverso e cuidado. Houve maior ênfase a algumas atribuições em detrimento de outras, empoderando os enfermeiros preferencialmente nas questões operacionais. Esse fato influenciou as relações de produção e estabeleceu uma dialética entre o fazer de médicos e enfermeiros. Considerações finais: Dentro da produção econômica da hipodermóclise, houve visões convergentes que fizeram com que as atribuições da enfermagem ganhassem mais empoderamento profissional, situando a posição da enfermagem na infraestrutura do cuidado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Matos AC. Contribuições do marxismo para estudos de gênero. Germinal Marxismo Educ Debate. 2021;13(1):610-22. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i1.37004

Takaki CYI, Klein GFS. Hipodermóclise: o conhecimento do enfermeiro em unidade de internação. Conscientiae Saude. 2010;9(3):486-96. https://doi.org/10.5585/conssaude.v9i3.2046

Rodrigues FS, Pedra MC, Santos JLG, Rumor PCF, Girondi JBR, Oliveira MC. Continuing education on hypodermoclysis with the nursing team of a hospital surgical unit. J Nurs UFPE. . 2016;10(suppl 3):1562-70.https://doi.org/10.5205/reuol.7057-60979-3-SM-1.1003sup201625

Pontalti G, Riboldi CO, Santos L, Longaray VK, Guzzo DA, Echer IC. Hipodermóclise em pacientes com câncer em cuidados paliativos. Rev Enferm UFSM. 2018;8(2):276-87. https://doi.org/10.5902/2179769228551

Bartlett W. Painless hypodermoclysis. Ann Surg. 1921;73(2):161-4. https://doi.org/10.1097/00000658-192102000-00002

Araújo CP. Hipodermóclise: Uma proposta de protocolo de segurança do paciente em uso de infusão subcutânea [dissertação]. Goiânia (GO): Universidade Federal de Goiás; 2017.

Veras GL, Faustino AM, Reis PED, Simino GPR, Vasques CI. Evidências clínicas no uso da hipodermóclise em pacientes oncológicos: revisão de literatura. Rev Eletronica Gestao Saude [Internet]. 2014[cited 2019 Dec 1];5(4):2877-93. Available from: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/1591

Araujo AS, Mota LM. Uma alternativa do passado com o futuro: hipodermóclise (terapia via subcutânea), uma revisão integrativa. Interfaces Cient Saude Ambient. 2014;2(3):45-51.https://doi.org/10.17564/2316-3798.2014v2n3p45-51

Cardoso VMV. Hipodermóclise e a via subcutânea no controlo sintomático em contexto paliativo: percepção dos enfermeiros portugueses [dissertação]. Porto: Universidade do Porto; 2017.

Santos LAC. Um século de cólera: itinerário do medo. Physis. 1994;4(1):79-110. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73311994000100005

Daland J. Treatment of cholera by hypodermoclysis and enteroclysis. Trans Am Clin Climatol Assoc [Internet]. 1893[cited 2019 Dec 1];10:92-104. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2526867/

Azevedo DL, organizador. O uso da via subcutânea em geriatria e cuidados paliativos [Internet]. Rio de Janeiro: SBGG; 2017[cited 2020 Dec 1]. Available from: https://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2016/06/uso-da-via-subcutanea-geriatria-cuidados-paliativos.pdf

Vidal FKG, Oselame GB, Neves EB, Oliveira EM. Hipodermóclise: revisão sistemática da literatura. Rev Atenao Saude. 2015;13(45):61-9. https://doi.org/10.13037/ras.vol13n45.2953 .

Arthur AO. Innovations in subcutaneous infusions. J Infus Nurs. 2015;38(3):179-87. https://doi.org/10.1097/NAN.0000000000000099 Inglês.

Walsh G. Hypodermoclysis: an alternate method for rehydration in long-term care. J Infus Nurs. 2005;28(2):123-9. https://doi.org/10.1097/00129804-200503000-00006

Bruno VG. Hipodermóclise: revisão de literatura para auxiliar a prática clínica. Einstein (Sao Paulo). 2015;13(1):122-8. https://doi.org/10.1590/S1679-45082015RW2572

Justino ET, Tuoto FS, Kalinke LP, Mantovani MF. Hipodermóclise em pacientes oncológicos sob cuidados paliativos. Cogitare Enferm. 2013;18(1):84-9. http://doi.org/10.5380/ce.v18i1.31307

Hays H. Hypodermoclysis for symptom control in terminal care. Can Fam Physician [Internet]. 1985[cited 2019 Dec 1];31:1253-6. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2327561/

Vidal M, Hui D, Williams J, Bruera E. A prospective study of hypodermoclysis performed by caregivers in the home setting. J Pain Symptom Manage. 2016;52(4):570-4.e9. http://doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2016.04.009

Hanlon SO, Sheahan P, McEneaney R. Severe hemorrhage from a hypodermoclysis site. Am J Hosp Palliat Care. 2009;26(Suppl 2):135-6. DOI: 10.1177/1049909108330033 Inglês.

Nunes PMSA, Souza RCS. Efeitos adversos da hipodermóclise em pacientes adultos: revisão integrativa. REME. 2016;20:e951. http://doi.org/10.5935/1415-2762.20160020.

Welch JD. History of tumescent anesthesia, part I: from American surgical textbooks of the 1920s and 1930s. Aesthet Surg J. 1988;18(5):353-7. http://doi.org/10.1016/S1090-820X(98)70091-3

Khan M, Younger G. Promoting safe administration of subcutaneous infusions. Nurs Stand. 2007;21(31):50-6. http://doi.org/10.7748/ns2007.04.21.31.50.c4545

Lybarger EH. Hypodermoclysis in the home and long-term care settings. J Infus Nurs. 2009;32(1):40-4. http://doi.org/10.1097/NAN.0b013e3181922552

D'Amato M, Escobar A; Fernández M; Irazuzta JE. Hipodermoclisis como alternativa para la rehidratación en niños. Med UPB [Internet]. 2014 [cited 2019 Dec 1];33(2):138-44. Available from: https://revistas.upb.edu.co/index.php/medicina/article/view/1444

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Parecer nº 031/2014 [Internet]. São Paulo: COREN-SP; 2014[cited 2021 May 14]. Available from: https://portal.coren-sp.gov.br/sites/default/files/parecer_coren_sp_2014_031.pdf

Minayo MCS. Estrutura e sujeito, determinismo e protagonismo histórico: uma reflexão sobre a práxis da saúde coletiva. Cienc Saude Colet. 2001;6(1):7-19. http://doi.org/10.1590/S1413-81232001000100002

Molloy DW, Cunje A. Hypodermoclysis in the care of older an old solution for new problems? Can Fam Physician [Internet]. 1992[cited 2019 Dec 1];38:2038-43. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2145510

Leal JAL, Melo CMM. Processo de trabalho da enfermeira em diferentes países: uma revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2018;71(2): 441-52. http://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0468

Souza KR, Rodrigues AMS, Fernandez VS, Bonfatti RJ. A categoria saúde na perspectiva da saúde do trabalhador: ensaio sobre interações, resistências e práxis. Saude Debate. 2017;41(esp 2):254-63. http://doi.org/10.1590/0103-11042017S221

Oguisso T. Trajetória histórica e legal da enfermagem. Barueri: Manole; 2007. p.98-119.

Sandelowski M. “Making the bast of things”: technology in American nursing. In: Hein EC. Nursing issues in the 21st century: perspectives from the literature. Philadelphia: Lippincott Willians; 2001. p. 262-8.

Marx KH, Engels F. Manifesto Comunista. [place unknown]: Ridendo Castigat Moraes; 1999.

Santos GF. O livro do enfermeiro e da enfermeira: para uso dos que se destinam a profissão de enfermagem e das pessoas que cuidam dos doentes. Rio de Janeiro: Est. Graphico; 1916. p. 241-6.

Possollo A. Curso de enfermeiros. Rio de Janeiro: Livraria Editora Freitas Bastos; 1939. p. 232-5.

Magalhaes EA. Noções práticas de socorros de urgência e enfermagem. Rio de Janeiro: Laemmert; 1942. p. 174-5.

Reidt AV, Albano D. Técnica de enfermagem: enfermagem clínica. São Paulo: Rossolillo; 1942. p. 180-1.

Briquet R. Manual da socorrista de guerra. São Paulo: Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais; 1943.

Vidal ZC. Technica de enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara; 1933. p.124-5.

Sant’anna J, Rocha Junior M, Rocha JM. Breviário das mães e das enfermeiras: noções de hygiene natal e infantil. Rio de Janeiro: Typographia Leuzinger; 1930. p. 104-109.

Marx K. O capital: Boitempo; 2013. (Vol. 1).

Costa DT, Martins MCF. Estresse em profissionais de enfermagem: impacto do conflito no grupo e do poder médico. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(5):1191-98. http://doi.org/10.1590/S0080-62342011000500023

McGarry K. O contexto dinâmico da informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos; 1999.

Bazzarelli ÍM, Amorim MCS. Gênero, representação simbólica e origem social nos conflitos entre médicos e enfermeiras. Rev Psicol Polit [Internet]. 2010[cited 2019 Dec 1];10(19):75-89. Available from: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2010000100007

Padilha MICS, Sobral VRS, Leite LMR, Peres MAA, Araújo AC. Enfermeira a construção de um modelo de comportamento a partir dos discursos médicos do início do século. Rev Latino-Am Enferm. 1997;31(3):437-51. https://doi.org/10.1590/S0104-11691997000400004

Araújo NRAS, Oliveira SC. A visão do profissional médico sobre a atuação da enfermeira obstetra no centro obstétrico de um hospital escola da cidade do Recife-PE. Cogitare Enferm. 2006;11(1):31-8. https://doi.org/10.5380/ce.v11i1.5969

Pereira FDO, Dantas RB, Oliveira DRC, Padilha MI, Teodósio SS-CS. Biografias de enfermeiras brasileiras constructos da identidade da profissão. Hist Enferm Rev Eletronica [Internet]. 2019[cited 2021 Ago 18];10(2):23-34. Available from: http://here.abennacional.org.br/here/v10/n2/a2.pdf

Downloads

Publicado

03-11-2021

Como Citar

Bonizio, M. C. L. R. (2021). Hipodermóclise na história da enfermagem: atribuições para enfermeiras no Brasil (1916-1943). História Da Enfermagem: Revista Eletrônica (HERE), 12(2), 1–12. https://doi.org/10.51234/here.21.v12n2.a4